domingo, 31 de agosto de 2014

Uma arte, Elizabeth Bishop




A arte de perder não é nenhum mistério
tantas coisas contém em si o acidente
de perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouco a cada dia. Aceite austero,
a chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Depois perca mais rápido, com mais critério:
lugares, nomes, a escala subseqüente
da viagem não feita. Nada disso é sério.


Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas. Um império
que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.

Mesmo perder você ( a voz, o ar etéreo, que eu amo)
não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser um mistério
por muito que pareça (escreve) muito sério.

Elizabeth Bishop

Tradução de Paulo Henriques Brito

Elizabeth Bishop nasceu em Massachusetts, em 8 de fevereiro de 1911, e morreu 68 anos depois, em Boston. Foi uma autora americana, considerada um das mais importantes poetisas do século XX a escrever na língua inglesa. 
Em 1952, depois de uma viagem pela costa brasileira, Elizabeth encantou-se pelas montanhas de Petrópolis e lá permaneceu por longos quinze anos. Durante esse período, escreveu numerosos registros e poemas, como o transcrito acima.

Original poem
One Art

The art of losing isn’t hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster.

Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn’t hard to master.

Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.

I lost my mother’s watch. And look! my last, or
next-to-last, of three loved houses went.
The art of losing isn’t hard to master.

I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn’t a disaster.


—Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan’t have lied.  It’s evident
the art of losing’s not too hard to master
though it may look like (Write it!) like disaster.

 Elizabeth Bishop, (1911 - 1979).

sábado, 30 de agosto de 2014

O tempo não importa, Mário Quintana


"Na convivência, o tempo não importa. Se for um minuto, uma hora, uma vida. O que importa é o que ficou deste minuto, desta hora, desta vida. Lembra que o que importa é tudo que semeares colherás. Por isso, marca a tua passagem, deixa algo de ti, do teu minuto, da tua hora, do teu dia, da tua vida."


Mário Quintana

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Paciência, Santo Agostinho


"O homem impaciente não tolera a dor, mas tampouco se liberta dela - tudo o que ele faz é incorrer em um sofrimento ainda maior. Já o homem paciente prefere suportar o mal sem cometê-lo, em vez de cometê-lo sem suportá-lo; e assim sua paciência torna mais leve o que a impaciência tornaria mais pesado."

Santo Agostinho

Filósofo e teólogo

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Sorrir sempre, Amma



"Como você é capaz de sorrir sempre, Amma?"
Ela respondeu: "Eu não dependo de nada para a minha felicidade."
Amma

Amma ("Mãe", como é conhecida carinhosamente) conquista o mundo através de seu exemplo de vida e ensinamentos simples de compaixão e amor.

"Ela é o amor de Deus na forma humana.”

 Dra. Jane Goodall


Amma é considerada por muitos como uma "Santa Viva" e aonde ela vai, multidões tornam-se cada vez maiores com a divulgação crescente de seu nome. Foi descrita pelas Nações Unidas como "Uma proeminente Líder Espiritual", enquanto que a imprensa a chama de "A Mãe da Compaixão", por causa do vasto trabalho humanitário e obras de caridade. Desta forma, muitas vezes ela é comparada a Madre Tereza de Calcutá.

Mata Amritanandamayi Devi (Mãe da Eterna Felicidade, em sânscrito) ou apenas Amma (Mãe), como é carinhosamente chamada, nasceu em 1953, no Estado de Kerala, sul da Índia. Quando nasceu, não chorou. Ao contrário, estampou um sorriso radiante. Começou a falar com apenas seis meses e, aos dois anos, já fazia orações e cantava em louvor a Krishna (uma das divindades hindus mais importantes). Filha de uma família de pescadores, aos dez anos largou os estudos para cuidar da casa, dos sete irmãos e das vacas da família. Amma tem observado a chamada interior de ajudar o próximo desde sua infância. Além de seu árduo trabalho, ela ajudava os idosos, necessitados e doentes de seu vilarejo. Estas tarefas eram feitas sem reclamação, muitas vezes completamente absorta na reverência por Deus. Muitos dos aldeões a viam como uma menina maluca devido ao fato dela cantar músicas de adoração enquanto trabalhava, o que a fazia mergulhar em profundos estados de bem-aventurança. Como uma jovem sábia, ela nunca recebeu instrução formal de um Mestre Espiritual. Nunca sequer leu livros ou estudou filosofia.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Praticar silêncio, Deepak Chopra



"Praticar o silêncio significa assumir o compromisso de reservar uma certa quantidade de tempo para simplesmente ser." 

Deepak Chopra

terça-feira, 26 de agosto de 2014

O importante é semear, Cora Coralina



"O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça."

Cora Coralina

domingo, 24 de agosto de 2014

sábado, 23 de agosto de 2014

Vagalumes no jardim, Robert Frost



Aí vêm verdadeiras estrelas para encher os céus superiores,
E aqui na terra vêm emulando moscas,
Que, embora eles nunca estrelas iguais em tamanho,
(E eles nunca foram realmente as estrelas no coração)
Alcançar às vezes um começo muito parecido com uma estrela.

Apenas, é claro, eles não podem sustentar a parte.

Robert Frost

Robert Lee Frost (1874 - 1963) foi um dos mais importantes poetas dos Estados Unidos do século XX. Frost recebeu quatro prêmios Pulitzer.

In "Fireflies in the Garden" 

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Para isso que vivemos, Walt Whitman

Walt Whitman


“Não lemos e escrevemos poesia porque é bonitinho.
Lemos e escrevemos poesia porque somos membros da raça humana
e a raça humana está repleta de paixão.
E medicina, advocacia, administração e engenharia, são objetivos nobres e necessários para manter-se vivo.
Mas poesia, beleza, romance, amor… é para isso que vivemos.”

Walt Whitman


Walter Whitman (1819 - 1892)  foi um jornalista, ensaísta e poeta americano considerado o "pai do verso livre" e o grande poeta da revolução americana.



Original

We don't read and write poetry because it's cute. We read and write poetry because we are members of the human race And the human race is filled with passion. And medicine, law, business, engineering, these are noble pursuits and necessary to sustain life. But poetry, beauty, romance, love, these are what we stay alive for.

Walt Whitman


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

O sonho, Ariano Suassuna

 Nicholas Hely Hutchinson

"O sonho é que leva a gente pra frente. Se a gente for seguir a razão, fica aquietado,  acomodado.”

Ariano Suassuna

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Não tenho certeza de nada, Vincent Van Gogh

Noite estrelada, de Vincent Van Gogh, 1889.

 "Não tenho certeza de nada, mas a visão das estrelas 
me faz sonhar." 
Vincent Van Gogh

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Curar-se, Thich Nhat Hanh



"Parar, Acalmar-se, Descansar e Curar-se."

Parar, acalmar-se e descansar são pré-requisitos para a cura. Se não conseguirmos parar, nosso ritmo de destruição simplesmente vai prosseguir. O mundo precisa imensamente de cura. Os indivíduos, comunidades e países estão cada vez mais necessitados de cura.

Thich Nhat Hanh

domingo, 17 de agosto de 2014

sábado, 16 de agosto de 2014

Almas perfumadas, Ana Jácomo

Pintura de Gustav Klimt

Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta. De sol quando acorda. De flor quando ri. Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda. Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça. Lambuzando o queixo de sorvete. Melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher. O tempo é outro. E a vida fica com a cara que ela tem de verdade, mas que a gente desaprende de ver.

Tem gente que tem cheiro de colo de Deus. De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul. Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis. Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo. Sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso. Ao lado delas,pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.

Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra. Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível, a gente tem certeza. Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria. Recebendo um buquê de carinhos. Abraçando um filhote de urso panda. Tocando com os olhos os olhos da paz. Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração.

Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa. Do brinquedo que a gente não largava. Do acalanto que o silêncio canta. De passeio no jardim. Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é u perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo. Corre em outras veias. Pulsa em outro lugar. Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos Deus está dançando conosco de rostinho colado. E a gente ri grande que nem menino arteiro.

Ana Jácomo

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Querer com mais doçura, Lya Luft



"A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimentos, entender com mais tranquilidade, querer com mais doçura."
Lya Luft

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Viajar é útil, Louis-Ferdinand Celine


"Viajar é útil, exercita a imaginação.
O resto é desilusão e fadiga.
A viagem é inteiramente imaginária.
Eis a sua força.
Vai da vida para a morte.
Pessoas, animais, cidades, coisas, é tudo inventado.
É um romance, apenas uma história fictícia.

Disse Littre, e ele não erra.
Porém, qualquer um pode fazer o mesmo.
Basta fechar os olhos.
E estará do outro lado da vida.”

Louis-Ferdinand Céline

In Viagem ao fim da noite, 1932.


O filme italiano "A Grande Beleza" inicia com este trecho do livro Viagem ao fim da Noite, de Céline.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

domingo, 10 de agosto de 2014

A fórmula da felicidade, Zygmunt Bauman


“Há dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz. Um é a segurança, o outro é a liberdade. Não é possível ser feliz e ter uma vida digna e satisfatória na ausência de qualquer um dos dois. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é caos.

Uma boa vida depende da harmonia entre segurança e liberdade, mas não dá para ter as duas ao mesmo tempo.

Zygmunt Bauman

Filósofo polonês

sábado, 9 de agosto de 2014

Acreditar, Michael Jackson




"Em um mundo cheio de ódio, é preciso ainda se atrever a ter esperança. 
Em um mundo cheio de raiva, ainda temos que ousar confortar. 
Em um mundo cheio de desespero, temos ainda que ousar sonhar. 
E em um mundo repleto de desconfiança, é preciso ainda ousar acreditar."

Michael Jackson

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Jardim, Gertrude Jekyll



"O principal objetivo de um jardim é proporcionar felicidade e descanso para a mente, que geralmente se distrai mais contemplando um modesto canteiro do que qualquer um destes jardins monumentais, onde as flores perdem sua identidade e, com ela, sua ascendência sobre os sentimentos do homem."

Gertrude Jekyll


Gertrude Jekyll (1843-1932) paisagista do Reino Unido.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Perspectiva, poema indiano




"Quando olho de cima
você é um pedaço de céu cheio de nuvens
até aparecer um elefante sedento,
ou meus amigos pularem,
talvez uma buzina de bicicleta ,
um pedregulho ou dois...
até a bengala de um cego serve.
Então, a imagem se dissipa, e você
torna-se nosso rio outra vez."

Poema indiano

Fonte: Filme: Como estrelas na terra ("Taare Zameen Par", 2007).

http://www.interfilmes.com/filme_24136_Somos.Todos.Diferentes.Como.Estrelas.Na.Terra-(Taare.Zameen.Par).html

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Esvaziamento, Mário Quintana

imagem google

Cidade grande:
dias sem pássaros,
noites sem
estrelas. 


Mario Quintana


In: 'Na volta da Esquina'

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Por muito tempo achei, Carlos Drummond de Andrade

imagem google

“Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência. A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços, que rio e danço e invento exclamações alegres, porque a ausência, essa ausência assimilada, ninguém a rouba mais de mim!“ 

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

O amor é sábio, o ódio é tolo, Bertrand Russel



"O amor é sábio, o ódio é tolo. Nesse mundo que está ficando mais interconectado, temos que aprender a tolerar uns aos outros, temo que aprender a aceitar o fato de que algumas pessoas dizem coisas que não gostamos. Nós só podemos viver juntos dessa forma. E nós vivermos juntos e não morrermos juntos. Precisamos aprender a bondade da caridade e da tolerância. O que é absolutamente vital para a continuação da vida humana nesse planeta."


Bertrand Russel
Filósofo e matemático inglês

Trecho de entrevista concedida à BBC em 1959.

domingo, 3 de agosto de 2014

A ponte de Van Gogh, Vinicius de Moraes

The Langlois Bridge at Arles with Women Washing, 1888,
by Vincent Van Gogh


O lugar não importa: pode ser o Japão, a Holanda, a campina inglesa.
Mas é absolutamente preciso que seja domingo.

O azul do céu ecoa na esmeralda do rio
E o rio reflete docemente as margens de relva verde-laranja
Dir-se-ia que da mansão da esquerda voou o lençol virginal de miss
Para ser no céu sem mancha a única nuvem.
A calma é velha, de uma velhice sem pátina
As cores são simples, ingênuas
A estação é feliz: o guarda da ponte chegou a pintar
De listas vermelhas o teto de sua casinhola.
E, meu Deus, se não fossem esses diabinhos de pinheiros a fazer caretas
E a pressa com que o homem da charrete vai:
- A pressa de quem atravessou um vago perigo
Tudo estivesse perfeito, e não me viesse esse medo tolo de a pequena ponte levadiça
Desabe e se molhe o vestido preto de Cristina Georgina Rosseti
Que vai de umbrela especialmente para ouvir a prédica do novo 
pastor da vila.

Vinicius de Moraes

Itatiaia, 1937.

sábado, 2 de agosto de 2014

Amor, Siddharta Gautama



"Neste mundo Ódio ainda nunca dissipou o ódio. Só o amor dissipa o ódio. Esta é a lei, Antiga e inesgotávelPor seus próprios esforços Despertar a si mesmo, observe a si mesmo. E viver com alegria. Você é o mestre."

Siddharta Gautama 

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Meditar, Paulo Leminski


"Depois de muito meditar,
 resolvi editar
 tudo o que o coração
me ditar."
Paulo Leminski

Printfriendly